I Semana Nacional de Filosofia da UEPB / I Colóquio Nacional Biopolítica e Filosofia

I Semana Nacional de Filosofia da UEPB / I Colóquio Nacional Biopolítica e Filosofia

Diálogos contemporâneos: respeito às singularidades e às diferenças

Faça sua inscrição

Minicursos

OBSERVAÇÃO: A inscrição para participação nos minicursos será realizada na página do evento, através do link "FAÇA SUA INSCRIÇÃO" (Total de vagas por minicurso: 40).

 

Minicurso 01 - A experiência do refugiado e o conceito de malheur, de Simone Weil

 

Prof.ª Dr.ª Maria Simone Marinho Nogueira (UEPB)

13 de novembro, das 18h30 às 21h00 (sala 127, 1º andar, CIAc/UEPB)

Resumo

Neste minicurso temos como objetivo geral analisar a relação entre as experiências de refúgio, conforme definição do fenômeno proposta pela Organização das Nações Unidas (ONU) e a experiência de infelicidade (malheur), segundo concepção do termo expressa pela filósofa francesa Simone Weil (1909-1943). Para a realização dessa tarefa, empregaremos dois movimentos metodológicos distintos e complementares. Primeiro retornaremos aos textos do livro Espera de Deus para, nesse retorno, escutar o texto, ele mesmo, “deixando-o falar”. Na escuta de Simone Weil, tencionamos apreender-lhe o nexo originário. Por outro lado, acompanharemos depoimentos em vídeodocumentários que relatam experiências e histórias de vida de refugiados. Nesse acompanhamento e nessa escuta, buscaremos apreender o sentido existencial dessas experiências e dessas histórias. Espera-se, como resultado dessa dupla escuta – do conceito e das experiências vividas –, apreender e explicitar a relação entre refúgio e infelicidade (malheur), no sentido de compreender aquele primeiro como um tipo de desenraizamento.

Palavras-chave: Refúgio. Malheur (infelicidade). Simone Weil.

 

Minicurso 02 - Buddhismo, Schopenhauer e Walter Franco: composições de uma vida sábia

 

Prof.ª Dr.ª Gilmara Coutinho Pereira (UEPB)

12 de novembro, das 07h00 às 09h00 (sala 127, 1º andar, CIAc/UEPB)

Resumo 

A proposta deste minicurso é estabelecer um diálogo entre a filosofia buddhista, a schopenhaueriana e a música de Walter Franco. Há que se estranhar qual a afinidade entre os três – o Buddha histórico nasceu no sopé dos Himalaias, no século V a.E.C., Arthur Schopenhauer nasceu na Alemanha, no século XVIII, e Walter Franco (1945) é um compositor brasileiro contemporâneo. Estranhamento que se dissipa quando expomos o nosso escopo: o que dizem Buddha, Schopenhauer e Walter Franco sobre a sabedoria de vida. O diálogo proposto relaciona o caminho óctuplo do buddhismo – a quarta nobre verdade expressa por Buddha logo após a sua iluminação (visão correta, intenção correta, fala correta, ação correta, modo de vida correto, esforço correto, atenção correta e concentração correta) –, a sabedoria de vida apresentada por Schopenhauer nos Aforismos para a sabedoria de vida, e a composição Coração tranquilo, de Walter Franco. Ambos remetem à ideia de que existem caminhos para que os homens possam tornar-se mais sábios; sabedoria no sentido de viver a vida de forma mais equilibrada, evitando os dissabores próprios da existência pautada pelo sofrimento. Esses caminhos consideram não só o cuidado com o intelecto, mas também com o corpo e com os sentimentos, promovendo uma vida mais prudente, salutar e tranquila. Trata-se de uma sabedoria que não restringe seus benefícios apenas ao sábio, mas também repercute no bem-estar daqueles a sua volta.

Palavras-chave: Caminho óctuplo. Sabedoria de Vida. Coração tranquilo.

 

Minicurso 03 - Cotidianidade em Heidegger

 

Prof. Dr. Julio Cesar Kestering (UEPB)

12 de novembro, das 07h00 às 09h00 (sala 129, 1º andar, CIAc/UEPB)

 

Minicurso  04 - Cristianismo, política e poder

 

Prof. Dr. Otacílio Gomes da Silva Neto (UEPB)

12 e 13 de novembro, das 07h00 às 09h00 (sala 128, 1º andar, CIAc/UEPB)

Resumo

No Brasil de hoje tem sido cada vez mais intensa a presença de partidos e lideranças cristãs nos poderes executivo, e principalmente no legislativo. Sob a “misericórdia de Deus” decisões têm sido tomadas por meio de uma pauta confusa que mistura elementos confessionais com determinações reformistas nem sempre favoráveis à população. Quando não afetam negativamente a saúde do pluralismo democrático. Por isso, esse minicurso se propõe a investigar as conexões entre cristianismo, política e poder e os seus efeitos em uma democracia representativa. Em um primeiro plano, vamos compreender o conceito de cristianismo a partir de enxertos da patrística e, em particular, da “Carta a Diogneto”, no humanismo de Erasmo para chegarmos em Pascal, Voltaire e Rousseau. Em seguida, nosso intuito será o de construir o conceito de política a partir de seu vínculo com o poder. Para finalizar, será realizado um debate aberto e dialógico cujo objetivo é discutir as seguintes questões: fé cristã e política devem andar unidas? Os partidos cristãos são solução para a sociedade ou obstaculizam o corpo político? O Estado deve ser confessional ou laico? Os líderes políticos devem ser, acima de tudo, religiosos? A Universidade é espaço fundamental para suscitar debates como esse, não com o objetivo de demonizar religiões ou minimizar a sua importância na sociedade, mas para contribuir com reflexões no escopo de conter fanatismos e intolerância, maniqueísmos políticos e ideológicos, além de desmistificar discursos e intenções que escondem interesses não republicanos, para não dizer, desumanos.

Palavras-chave: Cristianismo. Política. Democracia.

 

Minicurso 05 - Nicolau de Cusa: contribuições de A Douta Ignorância para se pensar o diferente

 

Prof. Me. Márcio Correia dos Santos (UFCG)

13 de novembro, das 18h30 às 21h00 (sala 129, 1º andar, CIAc/UEPB)

Resumo

Nicolau de Cusa divide a obra A Douta Ignorância em três livros: no primeiro, analisa a possibilidade do conhecimento humano alcançar o Máximo Absoluto; no segundo, concebe o universo como Máximo Contraído; e no terceiro, busca na figura de Jesus Cristo o Máximo simultaneamente Absoluto e Contraído. No segundo livro o filósofo concebe o universo numa perspectiva não somente astronômica, mas ontológica e cosmológica, definindo-o como a unidade do diverso, neste sentido, tudo está em tudo e qualquer coisa está em qualquer coisa, evidenciando assim o que entende por coincidentia oppositorum (coincidência dos opostos): por trás de toda a diversidade e diferença existente na realidade demonstrada a partir do universo, há certa igualdade e identidade que existem concomitantemente com aquela e que lhe sustenta. Neste curso, refletiremos a possibilidade de uma releitura do segundo livro de A Douta Ignorância numa perspectiva ético-antropológica a partir dos conceitos cosmológicos ali apresentados, ou seja, é possível a busca por um diálogo com o diferente neste livro?

Palavras-chave: Nicolau de Cusa. Diálogo. Diferente. 

 

Minicurso 06 - Panorama da Filosofia Latino-Americana no Brasil contemporâneo

 

Prof. Me. Roberto Pereira Veras (IFAC)

13 de novembro, das 18h30 às 21h00 (sala 128, 1º andar, CIAc/UEPB)

Resumo

Este minicurso busca apresentar uma visão da nova filosofia que surge na América Latina no século XXI. Para tanto, iremos analisar uma tradição de pensadores que acreditam na filosofia da libertação de modo autônomo descaracterizando as influências do pensamento eurocêntrico. Assim procedendo, buscaremos investigar algumas proposições de Raúl Fornet-Betancourt, Salazar Bondy e Domingos Enrique Dussel, apresentando diálogos possíveis com essa tradição filosófica que ainda se encontra em aberto na contemporaneidade.

Palavras-chave: Filosofia. Libertação. Práxis.

 

Minicurso 07 - Platão e a educação: igualdade de gênero? (manhã)

 

Prof.ª Dr.ª Solange Maria Norjosa Gonzaga (UEPB)

12, 13 e 14 de novembro, das 09h00 às 11h00 (sala 126, 1º andar, CIAc/UEPB)

Resumo

O cidadão na Atenas de Platão (1ª sessão). Educação para igualdade na República (2ª sessão). Educação para igualdade na Leis (3ª sessão).

 

Minicurso 08 - Platão e a educação: igualdade de gênero? (noite)

 

Prof.ª Dr.ª Solange Maria Norjosa Gonzaga (UEPB)

12, 13 e 14 de novembro, das 18h30 às 20h30 (sala 126, 1º andar, CIAc/UEPB)

Resumo

O cidadão na Atenas de Platão (1ª sessão). Educação para igualdade na República (2ª sessão). Educação para igualdade na Leis (3ª sessão).

 

Minicurso 09 - Razão e experiência em Descartes

 

Prof. Dr. Carlos Antônio de Souza (UEPB)

14 de novembro, das 07h00 às 09h00 (sala 128, 1º andar, CIAc/UEPB)

Resumo

A presente proposta de minicurso tem em vista apresentar a empreitada epistemológica cartesiana alicerçada metodologicamente em bases racionais, nas Regras para a direção do espírito e, a partir destes alicerces, o seu desenvolvimento teórico, nas Meditações, primeiramente desconstruindo a base cognitiva empírica e, depois, afirmando a perspectiva racional, para, a partir dela, reelaborar a experiência.

Palavras-chave: Método. Razão. Experiência.

 

Minicurso 10 - Sobre a Introdução da Fenomenologia do Espírito de Hegel

 

Prof. Dr. Írio Vieira Coutinho Abreu Gomes (UEPB)

13 e 14 de novembro, das 07h00 às 09h00 (sala 129, 1º andar, CIAc/UEPB)

Resumo

Esse minicurso tem por objetivo apresentar ao estudante a obra Fenomenologia do Espírito de Hegel através da leitura de sua Introdução. Como metodologia será realizada a leitura e o comentário em torno da Introdução do próprio Hegel à obra. Recomendamos que os participantes tenham em mãos o texto.