VII SEMINÁRIO DIÁLOGOS PARA PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

VII SEMINÁRIO DIÁLOGOS PARA PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

Será o Resíduo o Nosso Legado?

Faça sua inscrição

Blog

Projeto A.Ch.A. usa metodologia CSA para a redução de desperdícios

Postado em 22/05/2018

Por Ana Carla Longo

O desenvolvimento de produtos especiais e a produção financiada e vendida sem riscos são apenas algumas das oportunidades oferecidas pelo programa que inclui a Consultoria Cambucá, a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, e a articulação entre chefs e agricultores familiares.

A mestranda da turma 07 do Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável, Francine Xavier, constatou que o programa permite a aproximação dos chefs e dos agricultores e, por consequência, das etapas do processo de produção agrícola. A troca proporciona a elevação da qualidade e da variedade dos produtos.



Secretarias apresentam o panorama da coletiva seletiva em Niterói, Salvador e Manaus

Postado em 22/05/2018

Por Ana Carla Longo

“Onde nós temos coleta seletiva em larga escala funcionando no mundo?”, questionou Paulo Ricardo Rocha Farias, Secretário Municipal de Limpeza Pública de Manaus. Através de um panorama da situação da coleta seletiva na Alemanha, o secretário fez um quadro comparativo da gestão dos resíduos no mundo e no Brasil. Destacou ainda o número expressivo de embalagens que são descartadas diariamente, pontuando o conflito presente nos discursos dos produtores de embalagens e dos produtores de conteúdo.

A terceira palestra do segundo dia de evento reuniu representantes de três cidades diferentes e buscou abordar perspectivas da gestão municipal de resíduos no Brasil. André Fraga, Secretário Cidade Sustentável e Inovação de Salvador, explicou iniciativas como o Programa de Coleta Seletiva de Salvador. Exemplo de responsabilidade compartilhada, o programa trabalha com base em uma coleta porta a porta e estabeleceu pontos de entrega em toda cidade.

Representando a Secretaria do Meio Ambiente da Prefeitura de Niterói, Raissa Torres falou sobre o Plano Municipal de Gestão de Resíduos do município, através de programas de coleta porta a porta e de vinte e três pontos de entrega voluntária. Também abordou iniciativas de recolhimento de pneus e óleos de cozinha, além de projetos de educação ambiental e compostagem.

“O que os resíduos têm a ver com a mudança do clima?”

O segundo painel da parte da tarde discutiu as mudanças climáticas envolvidas na gestão de resíduos. Ednaldo Oliveira dos Santos, Professor do Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável da UFRRJ, trouxe o seguinte questionamento: “O que os resíduos têm a ver com a mudança do clima?”.

O professor relacionou a geração de resíduos a problemas como a emissão de gases estufa e efluentes líquidos. Durante sua fala, trouxe dados referentes à emissão per capta de resíduos sólidos em vários países, inclusive o Brasil, que vêm crescendo. Como alternativa, o professor apresentou casos de aterros sanitários que foram transformados em usinas para o reaproveitamento de energia e redução de emissões de CO2.

Em seguida, o problema da geração de metano na atmosfera foi tema da fala de João Carlos Xavier de Brito, Técnico da Comlurb. Segundo ele, técnicas como a compostagem trazem a necessidade de áreas extensas, assim como a incineração de resíduos possui custos elevados, o que torna a situação um desafio. Também apresentou processos alternativos aplicados em países europeus, sem deixar de abordar o problema de adaptação desses processos às características do clima e dos resíduos brasileiros. Para concluir, Xavier de Brito apontou as vantagens dos processos nacionais, mas ainda apontou que o Brasil está jogando fora 2,5% da energia.



Chave para a gestão de resíduos passa por envolvimento de setores público e privado

Postado em 22/05/2018

Por Ana Carla Longo 

É preciso uma responsabilidade compartilhada entre Poder Público e os fabricantes, importadores e distribuidores envolvidos no ciclo de vida do produto, segundo Matheus Alencar, Assessor do Ministério Público Federal. Ele foi um dos palestrantes na abertura do segundo dia do VII Seminário Diálogos para Práticas em Desenvolvimento Sustentável, que teve como tema “Panorama atual e perspectivas da Política Nacional de Resíduos Sólidos”. Na conversa, foram debatidas questões como as leis para a gestão dos resíduos sólidos, coleta seletiva, economia circular e responsabilidade compartilhada.

Alencar trouxe dados sobre a ineficiência dos municípios na erradicação dos lixões, e a judicialização da gestão desses resíduos: “O impacto da reciclagem na economia seria muito maior se os gastos fossem exonerados nos impostos.”, declarou.  A relevância dos Planos Municipais de Resíduos Sólidos também foi levantada como mecanismo de gestão.  Coordenador da Rede de Informação e Pesquisa em Resíduos da UFRJ, Oscar Antônio Vieira, destacou que, de 24 estados, apenas nove têm planos estaduais prontos. “Planos de gestão integrada de resíduos sólidos são previstos em lei para que seja feito o acompanhamento da gestão integrada de resíduos sólidos.”, enfatizou.

Vieira disse ainda que é necessário diagnosticar os tipos de resíduos para determinar qual alternativa será adotada na destinação do resíduo, como geração de energia e coleta seletiva com a inclusão dos catadores. “Não há um norte para a implementação da Lei do Plano Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que não foi publicado. Com relação ao plano, existem questões fundamentais. A lei é clara e inclui a participação social e o estabelecimento de metas.”, disse.

A economia circular e a logística reversa fecharam o debate na fala de Marcos Paulo Araujo, da Secretaria do Estado do Ambiente do RJ e mestrando em Direito da Cidade da UERJ. O advogado provocou reflexões sobre a urgente necessidade de mudarmos nossa relação de consumo através da informação ambiental.

Catadores são parte essencial na reciclagem brasileira

“Quando cai a ficha da humanidade sobre a doença planetária?”, assim começou a segunda mesa de debates do VII Seminário Diálogos para Práticas em Desenvolvimento Sustentável. O professor Jorge Marcos Barros, vice-presidente da ONG C4-P&D, Centro Científico e Cultural à Cidadania, chamou a atenção para a profundidade do problema ambiental e destacou três esferas da sustentabilidade: social, econômica e ambiental.

A palestra enfatizou a importância do trabalho dos catadores, que são responsáveis por 90% do lixo reciclado no Brasil. O professor falou sobre o problema da marginalização desses trabalhadores. Segundo a Lei 12.305, a Constituição Federal é municipalista. “A vida, o problema e as soluções estão no município.”, afirmou.

O empreendedor Eduardo Nascimento trouxe ainda outras questões para a reflexão. A Revolução Industrial, por exemplo, acarretou um impacto ao homem em relação ao consumo. “O princípio do consumo é acumular e trouxe diversos problemas para o planeta.”, afirmou. Segundo ele, a dificuldade de pensar à longo prazo mostra a necessidade de mudar o comportamento da sociedade através da consciência ambiental.



O resíduo e a decisão sobre ser inviável ou não sua reciclagem

Postado em 21/05/2018

Por Bibiana Maia

Quem decide o que é inviável ser reciclado e como isto acontece? Este foi o questionamento sucitado durante o painel "Gestão de resíduos contaminantes", por Eduardo Haddad, da Saniplan Engenharia Ambiental. Segundo ele, rejeito é aquele resíduo cujo o reaproveitamento é inviável, um subgrupo, e, para uma boa gama deles, existe a tecnologia e o conhecimento para reciclar, mas a discussão envolve o ganho: "Se for maior que o valor do produto não vale a pena, mas eu considero que tem que envolver também os custos ocultos, que existem se não reciclar", explica.

Haddad ainda explicou o processo de reciclagem de três tipos de resíduos comuns no cotidiano: óleo lubrificante, lâmpadas fluorescentes e pilhas. Dos três, apenas o óleo tem bons índices de reciclagem no Brasil. Se estes materiais têm dificuldade de reciclagem, o problema é ainda mais complicado com resíduo nuclear. "Não geramos um combustível economicamente viável de reciclar, pois o urano é um elemento barato no Brasil. No Japão e na França este processo já acontece", explicou Roberto Travassos da Eletronuclear.

Na mesma mesa, ainda foi citada a questão do descarte correto de resíduo hospitalar, por Robson Monteiro, do INTO. Explicou o quanto isto representa também gastos desnecessários." É preciso fazer uma reflexão do porque ainda existe descarte inapropriado. O profissional de saúde está preparado para o descarte correto? Não. O resíduo infectando custa de três a quatro vezes mais caro que o resíduo comum, então, quando misturam, vai gastar muito mais. Tem a segurança e o custo".



'Os esgotos provocam grandes impactos ambientais conhecidos, mas sobretudo desconhecidos'

Postado em 21/05/2018

Por Bibiana Maia

Apesar do avanço da tecnologia, ainda é desconhecido do ser humano qual o impacto total de suas ações, segundo o professor Julio Wassermann, da UFF. Durante a palestra de Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde, Wassermann falou sobre os problemas do saneamento no Brasil. "Os esgotos provocam grandes impactos ambientais conhecidos, mas sobretudo desconhecidos", declarou. A fala aconteceu durante o primeiro dia de seminário, que debateu Meio ambiente, desenvolvimento e saúde.

O professor destacou que, no Estado do Rio de Janeiro, há 73% de imóveis ligados na rede de esgoto, e pelo menos 1 milhão de litros de esgoto vai para estações de tratamento, mas isto não é o suficiente para resolver o problema. É possível monitorar os resíduos de drogas como cocaína e maconha, além de hormônios em peixes, um impacto do esgotamento sanitário pouco lembrado à sociedade.

Para complementar a mesa, Ana Abreu, do Engajamundo, criticou as tomadas de decisões do tema, que não envolvem a juventude. "Não há uma gestão adequada da água. Nosso objetivo é mostrar para os jovens qual é o papel deles nesta governança. Da onde vem a água, para onde vai e como isso impacta eles", disse ela antes de finalizar: "Somos vozes não ouvidas. Estamos sendo silenciados", disse.

Ao fim da manhã, em sua palestra sobre "Os resíduos e a proteção a saúde", a professora Fatima Rangel, do PPGPDS, complementou que os problemas ambientais afetam a saúde de toda a população: "Já existem estudos que correlacionam o aumento da epidemia de zika com o desastre de Mariana por falta de predadores do mosquito. Os danos ambientais eles sâo sempre compartilhados"



Perdeu as inscrições online? O seminário terá credenciamento presencial

Postado em 18/05/2018

Assim que foram divulgadas as inscrições para o VII Seminário Diálogos para Práticas em Desenvolvimento Sustentável, as vagas foram rapidamente esgotadas e muita gente ficou com receio de ficar de fora do evento. Para aqueles que não conseguiram garantir uma vaga online, a Comissão Organizadora irá oferecer credenciamento presencial todos os dias de seminário, de acordo com a disponibilidade.

É importante frisar que não garantimos a inscrição. Ela ocorrerá de acordo com as vagas que sobrarem em razão de ouvintes faltantes, porém encorajamos que o público compareça ao evento. Para saber qual dia te interessa mais, é só checar nossa programação completa: https://www.doity.com.br/vii-seminario-dialogos-para-praticas-em-desenvolvimento-sustentavel



Conheça os cases Cambucá e Muda Tudo, apoiadores do seminário

Postado em 18/05/2018

A construção colaborativa marca a trajetória do VII Seminário Diálogos para Práticas em Desenvolvimento Sustentável, realizado pelos estudantes da turma 7 do PPGPDS. Neste viés, o evento fechou parceria de apoio com duas iniciativas que têm no seu DNA o desenvolvimento sustentável: a Cambucá Consultoria e Treinamento e o viveiro Muda Tudo.

A Cambucá é especializada em  educação e gestão de negócios em gastronomia, e tem como missão buscar soluções que garantam o desenvolvimento e a sustentabilidade do negócio, da sociedade e das futuras gerações. A empresa articula parcerias para a implantação de projetos de impacto sócio ambiental, mapeando e construindo cadeias de valor que unem produtores com responsabilidade sócio ambiental, agricultores familiares agroecológicos, chefs, restaurantes e instituições de ensino, viabilizando acesso a mercados, financiamentos e apoio à operação. Na terça-feira, 22, às 15h40, Francine Xavier vai apresentar este case com mais detalhes em nosso evento.

Já o viveiro Muda Tudo produz mudas de árvores da Mata Atlântica, visando, em especial, a restauração ecológica das Áreas de Preservação Permanente (APP) da região serrana do Estado do Rio de Janeiro. Atualmente estão disponíveis mudas de 202 espécies, variedade que ajuda reconstituir a exuberância do ecossistema. Você pode saber mais na página do projeto no Facebook: https://www.facebook.com/ViveiroMudaTudo



Conheça os voluntários que vão cobrir o seminário

Postado em 14/05/2018

Na última semana, recebemos várias inscrições de estudantes de jornalismo da UFRRJ interessados em participar do VII Seminário Diálogos para Práticas em Desenvolvimento Sustentável. Os voluntários vão colaborar com conteúdos para nosso blog, Facebook e Twitter em textos, fotos e vídeos.

Os selecionados foram: Luisa Martinelli, Gabrielle Araujo, Laryssa Baião, Ana Carla, Kaliel Costa, Giovanna Theodoro, Carolinne Cabral, e Raíssa Rodrigues. Parabéns! Estamos muito animados para esta parceria! 

Infelizmente, não dá para todos participarem. De qualquer forma, agradecemos o interesse e esperamos que no próximo aqueles que não foram selecionados tenham sucesso.



Saiba onde almoçar durante o seminário

Postado em 10/05/2018

Entre os debates, é claro que teremos uma pausa para o almoço entre os debates e palestras. Por isso, reunimos dicas de onde comer. Este ano, o Seminário Diálogos Para Práticas em Desenvolvimento Sustentável será realizado na Uerj, uma parceria entre PPGPDS/UFRRJ e o Profagua/Uerj. A universidade fica na Rua São Francisco Xavier, 524, Maracanã, Zona Norte do Rio de Janeiro, e a programação vai acontecer no Auditório 11, situado no Bloco F, no primeiro andar. Veja onde almoçar dentro e fora do campus:

UERJ

A universidade possui lanchonetes em praticamente todos os andares. Para almoçar, há restaurantes no primeiro andar, próximo ao auditório 11, no quinto andar e no sétimo andar.

ÁREA EXTERNA

Pensão Jaleco

Rua São Francisco Xavier, 557 - Maracanã,

Restaurante Chopp Gol

Rua Felipe Camarão, 8 Maracanã

Restaurante Rio 40º

Rua Felipe Camarão, 10 Maracanã

Restaurante Capelinha

Boulevard 28 de setembro, 319 Maracanã

Restaurante Kilograma

Rua Felipe Camarão, 14 Maracanã



Veja onde se hospedar durante o evento

Postado em 10/05/2018

Sempre tem quem venha de outras cidades e estados para apresentar trabalhos ou assistir às palestras, por isso mapeamos opções para que você possa encontra um local para descansar. Este ano, o Seminário Diálogos Para Práticas em Desenvolvimento Sustentável  será realizado na Uerj (fruto de uma parceria entre PPGPDS/UFRRJ e o Profagua/Uerj), mais precisamente no Auditório 11, situado no Bloco F, no primeiro andar. A universidade fica na Rua São Francisco Xavier, 524 , Maracanã, Zona Norte do Rio de Janeiro. A nossa lista de sugestões tem alternativas no Maracanã, Centro e Zona Sul, perto do metrô, por serem de acesso mais rápido.

MARACANÃ

Arena Maracanã Hostel 
Avenida Paula Sousa, 64, Maracanã
Telefone: (21) 3648-3005
http://arenamaracanahostel.com.br/

Maracanã Hostel Vila Isabel 
Rua Professor Eurico Rabelo 16 Maracanã
Telefone: (21) 3197-2220
https://www.maracanahostelvilaisabel.com.br/

Casa SouLocal 
Avenida Maracanã, 379 - Maracanã
Telefone: (11) 97472-6416
http://www.soulocal.com/

CENTRO

Windsor Guanabara 
Avenida Presidente Vargas, 392, Centro
Telefone: (21) 2195-6000
http://windsorhoteis.com/

Belga Hotel 
Rua dos Andradas 129, Centro 
Telefone: (21) 2263-9086
http://www.belgahotel.com.br/pt/home/

ZONA SUL

Discovery Hostel 
Rua Benjamin Constant, 26, Glória
Telefone: (21) 3449-0672
http://www.discoveryhostel.com/pt/

Copacabana Suites by Atlantica Hotels
Rua Barata Ribeiro, 222, Copacabana
Telefone: (21) 3622-5200
http://www.atlanticahotels.com.br/



Começa a seleção de voluntários do curso de comunicação da UFRRJ para a cobertura do seminário

Postado em 05/05/2018

Todo estudante de jornalismo sonha com o momento de colocar em prática o que se aprende em sala de aula, e é de jovens assim que vamos precisar durante o VII Seminário Diálogos Para Práticas em Desenvolvimento Sustentável, de 21 a 23 deste mês, na Uerj. A partir desta segunda-feira, dia 7, estão abertas as inscrições para a seleção de voluntários para trabalhar na cobertura do evento, destinada exclusivamente a estudantes do curso de comunicação da UFRRJ.

É importante salientar que o seminário não conta com verbas para qualquer ajuda de custo. Os selecionados vão receber um certificado de participação por colaborarem produzindo conteúdo para Twitter, Facebook, Newsletter e o blog do evento. Todo o trabalho será supervisionado pela Comissão de Comunicação, que conta com jornalista.

Buscamos pessoas que gostem de produzir conteúdo para a internet e tenham agilidade para fazer a cobertura. Versatilidade é outro item desejado, já que é preciso escrever, assim como fotografar e filmar. Os interessados devem preencher o formulário de seleção até a próxima sexta-feira: https://bit.ly/2KEhDlB 



Descubra como chegar no seminário

Postado em 05/05/2018

Em razão de uma parceria entre o PPGPDS e o Profagua, o Seminário Diálogos Para Práticas em Desenvolvimento Sustentável será realizado este ano no Auditório 11 da Uerj, situado no Bloco F, no primeiro andar. A universidade fica na Rua São Francisco Xavier, 524 , Maracanã, Zona Norte do Rio de Janeiro. Para facilitar o deslocamento de nossos participantes, criamos um material explicando os melhores caminhos de ônibus, trem, metrô  e carro. Veja o melhor caminho para você, lembrando que incentivamos o uso do transporte público. 

METRÔ
Pegue a Linha 2 do metrô e desça na estação Maracanã. 

TREM
Pegue o trem da operadora Supervia no ramal Deodoro e desça na estação
Mangueira.

ÔNIBUS
Rodoviária - 353
Aeroporto Santos Dumont - 455
Centro - 232, 239, 247, 249, 363, 383, 391, 433, ou 455
Zona Sul - 433, 432, 434, 435, 456, 457 ou 455
Zona Norte - 232, 239, 247, 249, 383, 391, 455, 456, 457, 630, 639, 638 ou 711
Zona Oeste / Barra – 34, 390, 363, 368 ou 600

CARRO
Centro - Siga a Av. Presidente Vargas, atravesse a Praça da Bandeira prosseguindo pela Av. Oswaldo Aranha e pela Av. Radial Oeste até a altura do Estádio Mário Filho (Maracanã). Siga a Rua Radialista Waldir Amaral, entrando na pista da direita da Rua São Francisco Xavier. Rodoviária/Niterói - Siga a Av. Francisco Bicalho em direção ao Centro, entre na Rua Elpidio Boamorte, atravessando a Praça da Bandeira. De lá, prossiga pela Av. Oswaldo Aranha e pela Av. Radial Oeste até a altura do Estádio Mário Filho (Maracanã). Entre na Rua Radialista Waldir Amaral, seguindo na pista da direita na Rua São Francisco Xavier. Zona Sul - Via Rebouças - Atravesse o Túnel Rebouças, passe pelo Elevado Engenheiro Freyssinet (Paulo de Frontin) e desça em direção à Praça da Bandeira. De lá, prossiga pela Av. Oswaldo Aranha e pela Av. Radial Oeste até a altura do Estádio Mário Filho (Maracanã). Entre na Rua Radialista Waldir Amaral, seguindo na pista da direita da Rua São Francisco Xavier.

Centro - Via Santa Bárbara - Outra opção é atravessar o túnel Santa Bárbara e seguir pela Av. Trinta e Um de Março, entrando na Av. Presidente Vargas em direção à Zona Norte. Atravesse a Praça da Bandeira prosseguindo pela Av. Oswaldo Aranha e pela Av. Radial Oeste até a altura do Estádio Mário Filho (Maracanã). Siga a Rua Radialista Waldir Amaral, entrando na pista da direita da Rua São Francisco Xavier.

Zona Norte - Via Tijuca - Siga a Av. Maracanã, dobre à direita na Rua Eurico Rabelo (próxima à estátua do Bellini, no Estádio Mário Filho - Maracanã). Depois, é preciso entrar na Rua Radialista Waldir Amaral, seguindo na pista da direita da Rua São Francisco Xavier.

Zona Norte - Via Méier -  Vá pela Av. Marechal Rondon e, logo ao chegar na Avenida Radial Oeste, um pouco antes de uma leve elevação na pista, entre em um acesso à direita.

Zona Norte - Via Avenida Brasil - Entre na Av. Francisco Bicalho em direção ao Centro e seguir a Rua Elpidio Boamorte, atravessando a Praça da Bandeira. De lá, prossiga pela Av. Oswaldo Aranha e pela Av. Radial Oeste até a altura do Estádio Mário Filho (Maracanã). Entre na Rua Radialista Waldir Amaral, seguindo na pista da direita na Rua São Francisco Xavier.

Zona Oeste / Barra - Via Zona Sul - Siga a Auto-estrada Lagoa Barra, atravesse o túnel Zuzu Angel e prossiga na Av. Padre Leonel Franca e na Rua Mário Ribeiro. Dobre na Av. Borges de Medeiros, em direção ao Túnel Rebouças. Depois, é só seguir o trajeto indicado acima (ver Zona
Sul).

Zona Oeste / Barra - Via Grajaú-Jacarepaguá - Vá pela Estrada Grajaú-Jacarepaguá (Av. Menezes Côrtes) até chegar no Grajaú, prosseguindo pela Rua José do Patrocínio. Entre na Rua Barão do Bom Retiro e vire à esquerda na Rua Teodoro da Silva. Continue na Av. Professor Manoel de Abreu. Vire à esquerda, entrando na Rua Radialista Waldir Amaral. Siga a pista da direita da Rua São Francisco Xavier.

Zona Oeste / Barra  - Via Avenida Brasil - Entre na Avenida Francisco Bicalho em direção ao Centro e seguir a Rua Elpidio Boamorte, atravessando a Praça da Bandeira. De lá, prossiga pela Avenida Oswaldo Aranha e pela Avenida Radial Oeste até a altura do Estádio Mário Filho (Maracanã). Entre na Rua Radialista Waldir Amaral, seguindo na pista da direita na Rua São Francisco Xavier. Baixada Fluminense / Ilha - Pegue a Linha Vermelha, desça na Av. Francisco Bicalho em direção ao Centro e siga a Rua Elpidio Boamorte, atravessando a Praça da Bandeira. De lá, prossiga pela Av. Oswaldo Aranha e pela Av. Radial Oeste até a altura do Estádio Mário Filho (Maracanã). Entre na Rua Radialista Waldir Amaral, seguindo a pista da direita na Rua São Francisco Xavier.



Divulgada a lista de trabalhos acadêmicos aprovados

Postado em 04/05/2018

A Comissão Acadêmica do VII Seminário Diálogos para Práticas em Desenvolvimento Sustentável tem o prazer de divulgar a lista com os trabalhos acadêmicos selecionados para apresentação oral durante os três dias de nosso evento. Gostaríamos também de agradecer o interesse de todos os que enviaram trabalhos para submissão. Segue a lista de aprovados:

Eixo 1: Meio Ambiente, Desenvolvimento e Saúde
- Josilene Satyro Saldanha Cordeiro; Joana da Silva Castro Santos
- Frederico Tavares; Bárbara Lúcia Guimarães; Marlen Maria Cabral Ramalho
- Israel Oliveira Ramalho; Diogo Fonseca Mantovanelli; Julcimara Alves Araujo; Pedro Paulo Valentim dos Santos; Filipe Soares Diniz de Paiva; Robert de Oliveira Macedo
- Lázaro da Cruz de Paula Júnior; Fabíola de Sampaio Rodrigues Grazinoli Garrido
- Marianna Carvalho Martins Albergaria
- Lorye de Araújo Melo; Fabíola de Sampaio Rodrigues Grazinoli Garrido
- Raimundo Claudio Silva da Silva; Roberta Helena Moraes Tillmann; Davi do Socorro Barros Brasil

Eixo 2: Políticas Públicas, Governança e Conflito
- Iasmin Ferreira da Cruz Godinho; Rodrigo Amado dos Santos; Bruno Francisco Teixeira Simões; Michelle Cristina Sampaio
- Maria Inez de Oliveira Alvino; Raimundo Claudio Silva da Silva
- Sílvia Gisele Nogueira de Melo; José Heder Benatti; Leila Márcia Sousa de Lima Elias
- Teresinha Fonseca; Vandré Fonseca do Nascimento; Gustavo Vargas Cohen

Eixo 3: Meio Ambiente, Sustentabilidade e Conservação
- Cláudia Domingos Torres; Alexandre Monteiro de Carvalho
- Alexandrina Juscélia Feitosa de Souza; Ricardo Augusto Martins; Ana Paula de Jesus; Gisella de Souza Amaral; Aline de Souza Vicente; Fabiola de Sampaio Rodrigues Grazinoli Garrido
- Bárbara Oliveira de Morais; Adalberto Oliveira Brito; Flavia Silva Camilo
- Fernando Moura Antunes; Gabriel Pivatelli Lima; Cássio de Almeida Pires; Israel Oliveira Ramalho; Pedro Alves Valentim dos Santos; Robert de Oliveira Macedo
- Juliana Costa Villa; Jucimara Alves Araujo; Alexandre dos Santos Nogueira; Maria Cristina Affonso Lorenzon; Robert de Oliveira Macedo
- Mariana Muniz Silva; Rebeca Oliveira Castro; Fábio Vieira de Araújo
- Melanie Lopes da Silva; Rebeca de Oliveira Castro; Fábio Vieira de Araújo
- Olaf Niels Kramer
- Rebeca Oliveira Castro; Melanie Lopes Silva; Mônica Regina Costa Marques; Fábio Vieira de Araújo
- Charle Costa dos Santos; Barbara Leandro Monteiro; Janaina Ferreira Brandão; João Batista Ciriaco; Mickenson Jean Baptiste; José Cláudio Souza Alves
- Ariene Bazilio dos Santos; Soraya Cristina Vital Alves; João Vitor B. Rodrigues da Silva; Larissa Carvalho Rodrigues; Sofia Fonseca L. Pinto
- Ariene Bazilio dos Santos; Ana Carolina Sanches da Matta Machado; Maria Carolina Souza da Cruz; Thaís Costa Amorim; Thiago Pereira Rodrigues; Tiago Böer Breier



Acompanhe as novidades do seminário pelas redes sociais

Postado em 20/02/2018

O Seminário Diálogos para Práticas em Desenvolvimento Sustentável acontece apenas em maio, mas até lá vamos informando todas as notícias sobre nossa programação e os bastidores deste evento, realizado pelo Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável da UFRRJ.

Para acompanhar, recomendamos curtir a nossa página no Facebook www.facebook.com/seminariodialogosppgpds/, seguir nosso Twitter www.twitter.com/seminardialogos e confirmar sua presença em nosso evento: https://www.facebook.com/events/349590258858385/